Estresse é o melhor amigo da hipertensão

  • Quais os efeitos do estresse em nosso corpo;
  • Qual o risco que o estresse traz;
  • Quais são as doenças relacionadas aos estresse.

Você já se viu em uma situação de estresse muito, muito elevado?

Atitudes para você se sentir feliz em casa

Todo mundo mente sobre a sua saúde e você precisa saber

Você já sentiu seu coração disparar de uma forma que você nunca tenha sentido antes depois de um susto, uma briga, uma situação extrema ou mesmo quando você esteve em algum momento de perigo?

O estresse é uma resposta fisiológica ao perigo

Pesquisas recentes apontam que esse tipo de situação pode fazer com que pessoas que sofrem com a hipertensão tenham seu quadro agravado – ao ponto de levar mesmo a um estado crítico, como o de um infarto – por conta da liberação súbita de hormônios – entre os quais a adrenalina e o cortisol estão listados.

Esse fenômeno ocorre porque o nosso cérebro, ao notar que estamos em uma situação perigosa ou em um momento de muito estresse precisa avisar o nosso corpo que é o momento de lutar ou de fugir. É mesmo um instante que nos aproxima daquilo que há de mais animal em nós.

E tem uma explicação muito interessante para que o cérebro acabe fazendo com que a nossa pressão se eleve: é isso que faz com que sangue chegue em maior quantidade e com mais velocidade aos nossos músculos, o que pode, então, fazer com que a gente tenha uma resposta imediata à ameaça ou ao perigo que enfrentamos.

Assim, é graças a essa descarga súbita de hormônios – que podem ser sim muito perigosos para hipertensos e para pessoas que sofrem de outras doenças cardíacas ou vasculares – que nós conseguimos, por exemplo, nos defender atacando o nosso oponente ou até mesmo correndo rapidamente para um local abrigado.

Nossa espécie está ligada diretamente ao estresse

E é graças a essa ferramenta incrível do nosso cérebro – que é a descarga abrupta de hormônios – que a nossa espécie conseguiu evoluir, criar grandes cidades, e até mesmo ferramentas e mecanismos que nos permitem hoje descobrir esses fenômenos e até mesmo comunicá-los hoje em dia.

Só que o problema começa agora: hoje a gente não precisa correr de predadores, nem mesmo nos organizarmos rapidamente para enfrentar uma tribo inimiga, tampouco lutar até a morte com um oponente por conta da carcaça de uma caça que acabamos de conquistar.

No entanto, a resposta física é ainda a mesma, resultado desse processo evolutivo: basta que você presencie uma briga na sua família, discuta com alguém no trânsito ou mesmo tenha um dia caótico no trabalho, em que tudo que poderia dar errado dá, para que o seu organismo adote a mesma conduta.

Pode parecer simples, mas qualquer situação de estresse nos coloca hoje, imediatamente, em frente a um animal poderoso que pode acabar com a nossa tribo em poucos segundos. Assim, por mais que nós tenhamos desenvolvido grandes cidades, seguras e protegidas, para o nosso corpo nós estamos sempre na frente de um leão.

O estresse pode causar problemas de saúde muito graves

Assim, pense só o estrago que momentos estressantes e cotidianos podem causar em nosso corpo. Pense e repense em quantas vezes, só nesse dia, você acabou tendo de lidar com uma situação crítica. Pense em quantas pessoas com as quais você convive e se encaixam perfeitamente dentro da caixa dos “estressados”.

Agora, saiba: hoje em dia, quase 70% de todos os trabalhadores do Brasil podem estar dentro dessa caixa.

E é aí que o perigo mora, já que cada uma dessas pessoas que somam hoje quase 70% de toda a massa de trabalhadores do nosso país são hipertensos em potencial, já que quando a gente se estressa a nossa pressão acaba subindo. Só que quando o estresse é um hábito, a pressão sempre ficará lá nas alturas.

E isso é a porta de entrada para doenças muito graves e muito críticas, com um infarto, um AVC, um quadro de disritmia e outros tipos de doenças cardiovasculares igualmente sérias e perigosas.

É claro que mudar esse quadro tão crítico envolve inúmeras atividades que tangem as políticas públicas para a saúde, mas a gente também pode dar a nossa contribuição com algumas atitudes que podem garantir mesmo a redução do estresse de uma forma muito efetiva. São elas:

Teve um dia de muito estresse? Agora relaxe

É claro que esses dias são inevitáveis na nossa vida, mas lembrar-se sempre que todo dia tem um fim pode ser uma atitude muito importante e muito recompensadora no ponto de vista da sua saúde.

Assim, sempre que tiver um dia de muito estresse, relaxe. Procure ouvir uma música, assistir um programa de TV que você adora, brincar um pouco com seus animais de estimação ou simplesmente ler um livro, um jornal ou uma revista.

Esse momento, certamente, será importante para higienizar sua cabeça e vai fazer com que você se recupere do estresse.

A coisa está ruim? Pense agora no que há de bom

Por mais difícil que seja, sempre que você tiver um dia difícil e cheio de coisas horríveis acontecendo e não gerenciáveis, tente pensar naquilo que houve de bom durante ele.

Qualquer coisa serve. 🙂

Pense: será que o que está acontecendo agora será importante dentro de um ano?

Honestamente: quais foram e quais são as coisas estressantes e realmente significativas que aconteceram e perduraram por um ano inteiro?

Pensar isso pode fazer com que a gente simplesmente relaxe e tenda a não dar tanta importância para o que agora pode parecer muito, muito maior do que realmente é.

Gostou deste artigo? Veja mais como estes curtindo nossa página no Facebook:

Por: Arteblog - MadyEm: abril 19, 2018 | Em Saúde  | Tags: ,  

Uma resposta para “Estresse é o melhor amigo da hipertensão”

  1. […] Estresse é o melhor amigo da hipertensão […]