Labilidade emocional: saiba o que é, como diagnosticar e tratar

  • Entenda o que é labilidade emocional e como ela se manifesta
  • Por que acontece?
  • Como o diagnóstico e o tratamento são realizados?

Apesar do coronavírus (Covid-19) ser o tema do momento, infelizmente, resolvemos falar sobre outra coisa. Um problema muitas vezes negligenciado, mas que traz sérias consequências para seus portadores e familiares. Estamos falando da labilidade emocional, também conhecida como instabilidade emocional.

Leia mais

Cuide mais de você: Dicas para melhorar a sua autoestima

Apendicite: saiba o que é, como acontece e tratamento

Entendendo a labilidade emocional e sua manifestação

Labilidade emocional

Quantas vezes você já não se surpreendeu com a reação de uma terceira pessoa diante de um fato ou acontecimento? Ou ainda, não considerou que alguém que convive com você tem a capacidade de rapidamente mudar o seu estado de espírito? Todos estes comportamentos podem denotar o mal de labilidade emocional.

A labilidade emocional é caracterizada pelas mudanças bruscas e repentinas no humor de seu portador tão como pela manifestação de sentimentos desproporcionais as ocorrências do seu dia a dia.

Costumeiramente quem sofre com a labilidade tem maiores explosões de raiva, de choro copioso e concomitantemente de raiva, tristeza e desapego.

Ao que tudo indica, este problema teria diferentes causas, dentre elas condições genéticas pré-existentes, experiências negativas e traumáticas principalmente durante a infância, além de resultado de lesões cerebrais, mal de Alzheimer ou distúrbios mentais dos mais diversos.

Dentre os distúrbios mentais mais associados a labilidade emocional estão o transtorno bipolar e também a síndrome de Borderline.

Principais sintomas e tratamentos indicados

Labilidade emocional

Os principais sintomas da labilidade emocional como comentamos anteriormente são as rápidas e bruscas mudanças de humor. A incidência de choro copioso ou explosões de raiva, manifestação de apego ou desapego para com pessoas queridas e tristeza excessiva. Tudo na labilidade emocional não possui motivos ou razões aparentes para de fato ocorrer a mudança repentina de humor.

Em alguns casos este problema pode inclusive estar diretamente ligado com a depressão, a ansiedade e transtornos alimentares. De qualquer maneira é fundamental estar atento quanto aos seus sintomas para que uma investigação clínica seja feita para o diagnóstico do que vem causando a sua instabilidade emocional.

Normalmente quando diagnosticada a administração de antidepressivos é uma frente importante de tratamento assim como a psicoterapia.

Medidas naturais também são interessantes e envolvem desde a prática de atividades físicas regularmente quanto a prática do yoga e de técnicas de relaxamento.

Dentre as principais causas para o desenvolvimento da labilidade emocional, além do que já exposto aqui está a manifestação de patologias que naturalmente dificultam a manifestação e o controle de nossas emoções como, por exemplo, a Borderline e a ciclotimia. Na Borderline há a mudança súbita e palpável quanto as alterações de humor e o medo de ser abandonado. No caso da ciclotimia por sua vez há uma variação entre o estado de êxtase e de tristeza pura e simplesmente.

Como o diagnóstico e o tratamento são feitos?

Labilidade emocional

Agora que você já sabe como se manifesta a labilidade emocional e quais as suas eventuais causas, vamos conversar um pouco sobre o diagnóstico e principalmente o tratamento indicado. O diagnóstico inicial normalmente é dado pelo próprio paciente a partir da observação de seu comportamento. Entretanto, nem sempre o indivíduo tem plena consciência do que está ocorrendo e a ajuda da família pode fazer toda a diferença na busca por um diagnóstico médico e tratamento adequado.

Quanto ao tratamento, como comentamos anteriormente, em sua grande maioria das vezes é feito com o uso de antidepressivos para regulação dos hormônios cerebrais e também por meio do acompanhamento psicológico.

Atividade física, meditação e relaxamento corporal são técnicas muito apreciadas para o controle das emoções, mas não substituem o uso da medicação quando a mesma se faz necessária para o paciente.

 

Gostou deste artigo? Veja mais como estes curtindo nossa página no Facebook: