Planta de Alecrim

Denominação Botânica – Rosmarinus officinalis, Linné.

Alecrim

Família: Labiatae.

Utiliza-se as folhas e partes floridas.

A planta do Alecrim sempre era utilizada desde a antiguidade, pelos Romanos e Gregos para uso como medicamento. Esta planta não podia faltar nos jardins das casas no século XVI e muito utilizado em produtos cosméticos e como incenso. Também era símbolo de fidelidade para os namorados.

Do óleo essencial de alecrim pode-se extrair: Pineno, Canfeno, Cineol, Borneol, Acetato de bornila, Cânfora, Diterpenos, Ácidos orgânicos, Saponina, Traços de alcalóides, Princípios amargos e Taninos.

  • Estimulante geral,
  • Hipertensor,
  • Estomáquico,
  • Anti-séptico pulmonar e béquico,
  • Carminativo,
  • Colagogo,
  • Colerético,
  • Emenagogo,
  • Anti-reumático,
  • Diurético.
  • Externamente atua como estimulante do couro cabeludo.

Farmacológia: Tônico geral da circulação sangüínea e do sistema nervoso. Exerce sua ação principalmente à nível das paredes dos vasos, aumentando a irrigação periférica e a pressão arterial.

  • Ligeiramente diurético estimulando as funções renais.
  • Atua sobre a secreção biliar, atuando àquela provocada pelo extrato hidroalcoólico das sumidades floridas.

Digestivo, reduzindo a formação excessiva de gases e também auxiliando na digestão de gorduras. Possui também um efeito hepatoprotetor, e uma atividade antiinflamatória, indicado em afeccões reumáticas e articulares, demonstrado por Alcarez e Jimenes no teste da carragenina.

  • Externamente estimula a circulação local e alivia as dores. Possui ação anti-séptica, inibindo o crescimento da salmonela, escherichia e estafilococos.
  • No couro cabeludo, estimula a circulação e o crescimento capilar.
  • Ação anticaspa e previne a queda do cabelo.

Alecrim

Tem demonstrado ainda uma atividade notável e original na captura de radicais livres inibe o mecanismo que conduz à hepatite tóxica. É também um antilipoperoxidante e mantém constante a fluidez da membrana, assegurando uma atividade enzimática máxima.

Indicações:

Fitoterápico

  • Tônico do sistema nervoso central, é indicado em casos de esgotamento cerebral, excesso de trabalho e depressão ligeira.
  • Usado na atonia estomacal, falta de apetite e nos distúrbios intestinais.
  • Por suas propriedades colagogas é indicado em casos de colecistite crônica e em hepatite.
  • Em casos de amenorréia, dismenorréia e oligomenorréia.
  • Externamente é indicado para dores reumáticas, contusões, entorses, articulações doloridas.
  • Fitocosmético: Indicado como fortificante do couro cabeludo, como anticaspa e também contra a queda de cabelo.
  • Pomada de ação analgésica.

Contra Indicações

  • A essência de alecrim pode ser irritante para a pele. Não é indicado em altas doses por via oral, pois é abortivo.
  • Uso Durante Gestação/Lactação: Não deve ser administrado no período de gravidez.

Efeitos Colaterais

  • A ingestão de doses elevadas provocam irritações gastrintestinais e nefrite.

Precauções

  • O uso do alecrim durante a noite, pode alterar o sono.

Interações:

  • Pode ser usado com aveia, cola e verbena nas depressões, com sálvia, gelsemium e valeriana nas dores de cabeça.

Dosagem/Modo de Usar: Fitoterápico: Uso interno

  • Infuso: 20g de planta por 2 litros de água, tomar 2 a 3 xícaras ao dia.
  • Folhas secas: 2 a 4g três vezes ao dia ou por infusão.
  • Extrato fluido 2 a 4ml três vezes ao dia.

Uso externo

  • Infuso a 5%.

Fitocosmético

  • Xampus: até 5% de extrato glicólico.
  • Loções capilares, dentifrícios – até 3% de extrato glicólico.

Banhos estimulantes

  • Até 10% de óleo essencial.

Superdosagem

  • Seu uso em quantidades exageradas pode causar irritação gastrintestinal.
  • Seu uso prolongado pode resultar em gastroenterites e/ou nefrites.

Precauções de Armazenamento

  • Armazenar preferencialmente em recipientes herméticos, em ambiente seco e arejado, ao abrigo da luz solar.

Alecrim

Alecrim florido

Especificação do extrato glicólico de alecrim

  • Nome Científico: Rosmarinus Officinalis, linné
  • Parte usada: folha
  • Produção: maceração e perolação
  • Fonte: Napiê

Gostou deste artigo? Veja mais como estes curtindo nossa página no Facebook:

Por: Arteblog - FranciscoEm: agosto 16, 2007 | Em Plantas Aromáticas  |

56 respostas para “Planta de Alecrim”

  1. O meu enterresse é saber se o alecrim serve para curar problemas de hemorroida, e em que dose deve ser ingerida.

    muito grato

    Macedo Leal

  2. jamil disse:

    o alecrim combate o diabete?

  3. jamil disse:

    ouvi dizer que o alecrim combate o diabete. É verdqade??

  4. tereza disse:

    a planta é muito boa pelo que consta, mas não deixa de ter suas contra indicações. Exemplo tenho problemas de alergia, gostaria de saber se posso tomar

  5. Juceli disse:

    Sou usuaria de muitas plantas medicinais, gostaria de saber um pouco mais sobre o uso do alecrim, como devo usar o chá e se posso usar o chá para lavar o cabelo?

  6. Parabéns pelo lindo trabalho no blog, maravilha, pra quem planta esta dica, conheça: ecologiasempre.blogspot.com, um multivaso, e-mail: [email protected], grato pelo ecoretorno, nilson

  7. eliane disse:

    oi eu gostaria de saber como se usa o alecrim.

  8. Edson Miranda dos Sa disse:

    Tenho alguns problemas de saúde e acredito que estudos científicos bem fundamentados sobre as plantas trarão benefícios extraordinários para a humanidade, principalmente sabendo-se como o tratamento com remédios químicos são agressivos.

    "porque as suas águas saem do santuário; e o seu fruto servirá de comida e a sua folha de remédio." (Ezequiel 47 : 12)

  9. Albertina disse:

    sou hipertensa e gostaria de saber se posso tomar o chá de alecrim, se puder qual a dosagem recomendada?

  10. bruna disse:

    ooooooooooooooiiiiiiiiiiiiii renponde eu quero saber?