Síndrome de Don Juan: veja como reconhecer

  • Já ouviu falar sobre a Síndrome de Don Juan?
  • Origem do nome Síndrome de Don Juan?
  • Sintomas característicos da síndrome

Você com certeza já conheceu algum homem com a chamada Síndrome de Don Juan. Porém, isso não significa que logo de cara você atrelou isso a um transtorno psicológico.

Isso se dá pelo fato de vivermos em uma sociedade onde o machismo ainda é muito presente e vemos esse tipo de comportamento masculino como sendo características apenas de homens mulherengos ou ainda muito galanteadores.

Leia mais

Memória falsa: veja como o seu cérebro pode te enganar

Catnip: conheça a “droga” dos gatos

Esse tipo de comportamento não representa um perigo, obrigatoriamente, porém em muitos casos isso pode acontecer. No entanto, com certeza esse tipo de atitude pode desencadear muitos prejuízos psicológicos às pessoas que caem na lábia desses homens e logo são deixadas de lado para que eles procurem novas vítimas.

Se você tem dúvidas ou quer saber mais sobre esse assunto, é só seguir a leitura que vai entender tudo sobre isso.

Qual a origem do nome Síndrome de Don Juan?

Síndrome de Don Juan

Para quem não sabe, existe um personagem da literatura chamado Don Juan, que é considerado o símbolo da libertinagem. A síndrome foi batizada com esse nome por conta dessa característica do personagem principal.

Don Juan é um mito da cultura espanhola que foi criado pelo dramaturgo Tirso de Molina, onde uma das obras que fizeram mais sucesso foi o filme “Don Juan de Marco”, estrelado por Marlon Brando e Johnny Depp.

Quais as principais características da síndrome?

Síndrome de Don Juan

O Instituto de Psicologia Aplicada (INPA) define a Síndrome de Don Juan como sendo um transtorno que tem como principal característica a necessidade compulsiva em seduzir alguém. Também você pode observar um rápido envolvimento amoroso além de a pessoa que possui a síndrome não conseguir manter relacionamento a longo prazo.

No caso de homens que tenham essa síndrome, o interesse em si não é pelo sexo, e sim pela sensação de conquista e o sentimento de sentir-se desejado por alguém. Por isso que em todos os casos, após a conquista se dar por completo, o homem não tem mais interesse naquela pessoa e segue em busca de uma nova vítima.

Assim, pode-se observar que neste caso o homem, em geral, não busca um relacionamento e sim sentir-se amando outra pessoa. Mas existem alguns casos em que o homem que tem essa síndrome pode apresentar um relacionamento mais longo e pode até alimentar o sentimento por essa outra pessoa. Porém, por ter um sentimento compulsivo pelo momento da conquista, ele provavelmente não será fiel a parceira ou parceiro.

Além disso, outras características estão frequentemente presentes além da infidelidade. São elas a insatisfação constante com o relacionamento atual, alta habilidade de manipulação e prazer em seduzir, comportamento extremamente narcisista e persistência para que a vítima acredite em suas palavras e histórias.

Esses homens apresentam um alto complexo de inferioridade, autoestima baixa e sentimento de vazio. Por isso, com a sedução eles podem se autoafirmar e se sentir melhores consigo mesmos.

Mesmo não sendo listada no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, vários comportamentos podem estar contidos em outros transtornos, como os de Personalidade Antissocial e o Transtorno de Personalidade Histriônica.

Mulheres também podem ter síndrome parecida?

Síndrome de Don Juan

Mesmo sendo uma doença onde o estereótipo é mais acentuado e visto em homens, mulheres também tem uma versão da Síndrome de Don Juan. Ela é chamada de Síndrome de Afrodite.

As chamadas “afrodites” tem a tendência de estar sempre competindo com outras pessoas do sexo feminino dentro do seu círculo social, pois as veem como algo ameaçador ao próprio relacionamento.

Mulheres que apresentam a Síndrome de Afrodite tem os mesmos comportamentos que os homens, assim como os tratamentos e as causas são considerados os mesmos.

Além dos comportamentos já citados, as mulheres são muito vaidosas e costumam estar em vários lugares, desempenhando várias atividades afim de ter principalmente mais chances de conquistar quem elas desejam.

Muitos especialistas indicam que, no caso das mulheres, problemas não resolvidos com a figura paterna podem desencadear a síndrome.

Quais as causas do donjuanismo?

Existem sobretudo muitas causas identificadas como responsáveis e em muitos casos elas podem estar relacionadas umas às outras. A síndrome também pode ter origem em algum outro transtorno. Porém, em todas as situações uma das causas do donjuranismo é distorção na percepção em relação à pessoa do sexo oposto.

Assim, aqui você encontra as principais causas.

Frieza e incapacidade de amar: no caso da incapacidade, ela pode ter origem no chamado transtorno de personalidade antisossocial e até mesmo na psicopatia. A pessoa, homem ou mulher, que tenha essas síndromes abandonam o outro, após ter certeza da conquista, sem nenhum sinal de pena, remorso ou arrependimento.

Problemas nas relações parentais: se a mãe ou o pai falharam no momento de demonstrar afeto durante a infância da criança, essa criança pode passar a pensar que isso é normal. Isso se agrava normalmente quando, depois de adulto, a pessoa passa a replicar essas atitudes em relacionamentos, principalmente os amorosos.

Sentimento de rejeição: aqui a pessoa tende a bloquear qualquer sentimento de amor, afeto ou carinho pois tem um medo exacerbado do abandono ou da rejeição. Isso é bastante comum em adultos que tem histórico de rejeição parental quando criança.

A síndrome tem tratamento?

Como sempre, a primeira etapa é se conscientizar de que existe um “Don Juan” ou uma “Afrodite”. Pelo fato da causa estar sob conhecimento da ciência, dizer que uma pessoa se curou se torna quase impossível.

A forma mais eficiente é a psicoterapia. Nela profissional poderá sobretudo avaliar e traçar um tratamento para compreender as causas e melhorar os comportamentos do donjuanismo ou da Afrodite.

Gostou deste artigo? Veja mais como estes curtindo nossa página no Facebook: