Conheça o trabalho das artesãs que produzem renda em Divina Pastora

A tradicional renda irlandesa de Divina Pastora, considerada patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), recebeu mais um reconhecimento. As peças elaboradas pelas artesãs passarão a ser comercializadas com o Selo de Indicação Geográfica (IG), um certificado que garante a procedência e qualidade dos produtos, além de agregar valor e credibilidade ao artesanato.

A busca pelo reconhecimento do município teve início em 2008 por meio de uma solicitação da Associação para o Desenvolvimento da Renda Irlandesa de Divina Pastora (Asderen) ao Sebrae em Sergipe. A partir daí, foram desenvolvidas uma série de atividades, que incluíram a sensibilização das artesãs e gestores públicos municipais e estaduais, mudanças no estatuto da associação, resgate histórico da técnica e a criação de um caderno de normas da renda irlandesa com informações sobre o processo de confecção das peças.

Em setembro de 2011, toda a documentação foi entregue ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), órgão responsável pela concessão do Selo. No final do ano passado, a solicitação foi aprovada sem ressalvas e, no dia 11, a certificação será entregue às artesãs no Museu da Gente Sergipana. Essa é a primeira Indicação Geográfica concedida a um tipo de renda no país.

“Batalhamos muito para conseguir esse reconhecimento. Sempre nos esforçamos para confeccionar nossas peças e criar algo diferenciado. Esse artesanato é um símbolo da nossa cidade e ficamos felizes ao perceber que isso agora está devidamente documentado”, explica a presidente da Asderen, Edizabeth Raimundo dos Santos.

A partir de agora, somente as artesãs de Divina Pastora poderão utilizar a marca, resultando assim na proteção da imagem das peças e impedindo que outras pessoas possam se aproveitar da fama do artesanato. Para o consumidor, a Indicação Geográfica garante a qualidade dos produtos e o reconhecimento de que eles foram fabricados por meio de um processo diferenciado em relação aos já existentes no mercado.

“Temos certeza de que todo esse esforço resultará em grandes melhorias para as artesãs. Com o selo, o acesso aos mercados nacional e internacional será facilitado, gerando assim boas perspectivas de negócio para esse público. É importante ressaltar que todos os produtos no Brasil beneficiados com o Selo ficaram ainda mais valorizados, o que permitiu um aumento de renda para os produtores”, destaca o superintendente do Sebrae em Sergipe, Lauro Vasconcelos.

Reconhecimento 

A Indicação Geográfica é um processo comum na Europa e nos Estados Unidos, mas ainda recente no Brasil. Dentre os produtos beneficiados com o reconhecimento estão a cachaça artesanal de Salinas (MG), as panelas de barro de Goiabeiras (ES) e o mármore da região de Cachoeiro do Itapemirim (ES). No exterior, alguns exemplos são o queijo roquefort, do sul da França, e o espumante da cidade de Champagne, também na França.

A renda de agulha em lacê- Renda Irlandesa – chegou a Sergipe por volta do inicio do século XX. Nesse mesmo período, artesãs do município de Divina Pastora aprenderam a técnica e a disseminaram para as mulheres da região. A renda de Divina Pastora ao longo do tempo foi adquirindo características próprias, o que a diferenciou de todos os tipos de artesanato. Atualmente, cerca de 180 mulheres produzem a Renda Irlandesa no município. Estima-se que cerca de 80% da população feminina da cidade esteja de alguma forma envolvida com a atividade. Em 2007, diante da unicidade do artesanato, o município de Divina Pastora solicitou ao Iphan o registro do modo de fazer da renda irlandesa como patrimônio Imaterial Cultural do Brasil. O título foi homologado em 2008.

Serviço:
Sebrae em Sergipe (79) 2106.7758
www.se.agenciasebrae.com.br
Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Fonte [Agência de Notícias Sebrae]

Gostou deste artigo? Veja mais como estes curtindo nossa página no Facebook: